01/05/2021
Por Danilo Evaristo em Notas

Gasolina e diesel ficam mais baratos nas refinarias

Já o litro do diesel ficou R$ 0,06 mais barato – Foto: Petrobras

A partir deste sábado (1º), a Petrobras reduz os preços de venda da gasolina e do diesel nas refinarias. O litro da gasolina vendido às distribuidoras passou a custar R$ 0,05 menos, ou 1,9%, e está sendo comercializado, em média, a R$ 2,59.

Já o litro do diesel ficou R$ 0,06 mais barato, ou 2,2%, e passou a ser vendido às distribuidoras por R$ 2,71.

Esse é o preço vendido às distribuidoras. Até chegar ao consumidor final, o combustível sofre acréscimos relativos a tributos federais e estaduais, mistura obrigatória com biocombustíveis e margens de lucro de distribuidoras e postos revendedores.

Compartilhe:
01/05/2021
Por Danilo Evaristo em Notas

1ª dose da vacina de Oxford dá proteção de 76%; entenda intervalo de 3 meses para 2ª

Foto: FLAVIO LO SCALZO/REUTERS

Diferente da CoronaVac, que tem um intervalo de 28 dias entre as doses, a vacina de Oxford/AtraZeneca permite um distanciamento maior entre a primeira e a segunda injeção: três meses. Mas qual o nível de imunidade obtido apenas com uma dose? A pessoa que for vacinada com a Oxford está segura nesse intervalo de três meses?

O infectologista da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), parceira da AstraZeneca/Oxford no Brasil, Julio Croda, explica que sim, uma dose da vacina já confere uma porcentagem alta de proteção.

“A eficácia de uma dose da AstraZeneca é bastante elevada. Uma dose da vacina já tem uma eficácia de 76%, superior a 50%, exigidos pela OMS. De 100 pessoas que tomam a vacina, 76 estarão protegidas a partir do 22º dia”, explica Croda.

Entretanto, mesmo com uma eficácia alta, é preciso completar a vacinação com a segunda dose, reforça Croda. “Após a segunda dose, a proteção aumenta. Você sai de 76% para 81% de proteção. [Receber] Uma dose já é muito bom, mas precisa da segunda. Quanto maior for sua proteção, melhor”.

O infectologista também alerta que as medidas preventivas (uso de máscaras, distanciamento social, higienização das mãos, evitar aglomerações) precisam continuar, mesmo depois de receber a primeira dose.

Atualmente, o imunizante é responsável por 22% das doses aplicadas no Brasil, mas esse número tende a subir. Em maio, a Fiocruz pretende enviar 21,5 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde.

Eficácia alta com uma dose

Em fevereiro, um estudo publicado na revista The Lancet apontou que o intervalo maior entre as doses (os três meses) resulta em uma maior eficácia do que um intervalo de seis semanas. Segundo os pesquisadores, uma dose da vacina trouxe 76% de eficácia a partir de 22 dias após a aplicação. E uma boa notícia: a proteção não reduziu ao longo dos três meses. Com a vacinação completa (duas doses), a proteção chega a 81%.

Andrew Pollard, professor da Universidade de Oxford e um dos autores do estudo, alertou que a segunda dose é necessária, já que ainda não está claro quanto tempo a proteção com uma dose pode durar.

“A longo prazo, uma segunda dose deve garantir imunidade de longa duração. Por isso, encorajamos todos que tomaram a primeira dose a tomar a segunda”, explicou Andrew Pollard, professor da Universidade de Oxford.

Diminuição na transmissão

Além de promover uma proteção alta após a primeira dose, a vacina de Oxford também pode ter a capacidade de reduzir em até 67% a transmissão do novo coronavírus.

Um outro estudo, publicado pela Public Health England (PHE), agência de saúde da Inglaterra, analisou duas vacinadas usadas no país: Pfizer/BioNTech e Oxford/AstraZeneca. Segundo os pesquisadores, uma dose das vacinas é capaz de reduzir a transmissão domiciliar pela metade. A pesquisa ainda não foi publicada em revista científica.

Os pesquisadores observaram pessoas infectadas pelo coronavírus três semanas depois de tomarem uma dose e concluíram que o risco delas transmitirem o vírus para outro morador da mesma casa, que não tenha sido vacinado, cai até 49% (entre 38% e 49%).

A vacina também impede que a pessoa imunizada (em qualquer faixa etária) desenvolva infecção sintomática no início, reduzindo o risco em cerca de 60% a 65% quatro semanas após uma dose.

Cuidados devem continuar

Uma dose da vacina pode conferir uma proteção alta, mas isso não significa abandonar as medidas não farmacológicas. A pessoa imunizada deve continuar usando máscaras, deve evitar aglomerações e precisa manter a higiene das mãos.

“As medidas preventivas devem continuar. Nós ainda estamos numa elevada transmissão. Estamos com três mil óbitos diários e sabemos que muitas pessoas ainda não foram vacinadas. Além disso, temos as novas variantes. Enquanto não tivermos 80%, 90% da população vacinada, devemos manter as medidas”, alerta Croda.

Estudos ainda estão sendo feitos para comprovar que as vacinas conseguem interromper a transmissão do vírus, como já explicou a vice-diretora da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mariângela Simão.

“A vacina é uma das ferramentas para auxiliar a passar essa fase aguda da epidemia, mas não é a única. As vacinas que temos disponíveis não comprovaram serem eficazes para a transmissão da doença. Elas são eficazes para evitar que a doença progrida para casos graves”.

G1

Compartilhe:
01/05/2021
Por Danilo Evaristo em Notas

IBGE estima que desempregados no Brasil sejam 14,4 milhões

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil

O número de desempregados no Brasil foi estimado em 14,4 milhões no trimestre encerrado em fevereiro, o maior contingente desde 2012, início da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada ontem (30), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado representa alta de 2,9%, ou de mais 400 mil pessoas desocupadas em relação ao trimestre anterior, de setembro a novembro de 2020, quando a desocupação foi calculada em 14 milhões de pessoas.

Mesmo assim, segundo o IBGE, a taxa de desocupação ficou estável em 14,4% em relação ao trimestre anterior (14,1%), mas apresentou alta de 2,7 pontos percentuais na comparação com igual trimestre do ano passado, quando foi estimada em 11,6%.

Segundo a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, embora haja a estabilidade na taxa de ocupação, já é possível notar uma pressão maior com 14,4 milhões de pessoas procurando trabalho. A pesquisadora destacou que não houve, nesse trimestre, geração significativa de postos de trabalho, o que também foi observado na estabilidade de todas as atividades econômicas, muitas ainda retendo trabalhadores, mas outras já apontando um processo de dispensa como o comércio, a indústria e alojamentos e alimentação.

Trabalho informal

“O trimestre volta a repetir a preponderância do trabalho informal, reforçando movimentos que já vimos em outras divulgações – a importância do trabalhador por conta própria para a manutenção da ocupação”, disse Adriana, em nota.

De acordo com o IBGE, a estabilidade do contingente de pessoas ocupadas – aproximadamente 85,9 milhões no trimestre encerrado em fevereiro de 2021 – é decorrente da informalidade, com o aumento dos trabalhadores por conta própria. Em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, o contingente de pessoas ocupadas apresentou queda de 8,3%, representando uma redução de 7,8 milhões de empregados.

Apenas a categoria de trabalhadores por conta própria, que totaliza 23,7 milhões de pessoas, apresentou crescimento (3,1%) na comparação com o trimestre anterior (setembro a novembro de 2020), significando a adição de 716 mil pessoas neste contingente. Em relação ao mesmo período do ano anterior, o indicador apresentou uma redução de 824 mil postos.

As demais categorias apresentaram estabilidade em relação ao trimestre anterior. Os trabalhadores do setor privado com carteira de trabalho assinada foram calculados em 29,7 milhões de pessoas. Os empregadores e trabalhadores do setor privado sem carteira assinada somam 9,8 milhões de pessoas. E os empregadores são 3,9 milhões de pessoas.

Estabilidade

A população fora da força de trabalho – que não estava nem ocupada nem desocupada na semana de referência – manteve-se estável em 76,4 milhões, quando comparada com o trimestre de setembro a novembro de 2020. Frente ao mesmo trimestre do ano anterior, houve expansão de 15,9% com o acréscimo de 10,5 milhões de pessoas.

A analista do IBGE disse, ainda, que esse é um indicador que cresceu muito em 2020, em função do afastamento das pessoas do mercado de trabalho, voltando a se retrair a partir de outubro e agora encontra-se estável.

“Essa população fora da força foi afetada pelas restrições de funcionamento das atividades econômicas e pelas medidas de proteção. Muitas deixaram de procurar trabalho, outras perderam o trabalho e não viam condições de se reinserir, parando de exercer pressão no mercado de trabalho. Quando confrontamos com fevereiro de 2020, a população fora da força de trabalho é muito maior em função da própria dinâmica que a pandemia trouxe para o mercado de trabalho”, afirmou.

Compartilhe:
01/05/2021
Por Danilo Evaristo em Notas

Policiais Rodoviários Federais do Rio Grande do Norte doam cestas básicas para comunidade carentes

Policiais Rodoviários Federais do Rio Grande do Norte, realizaram no decorrer do mês de abril, um gesto de solidariedade doando mais de 100 cestas básicas para as comunidades de Santa Paula, localizada no município de Ceará-Mirim/RN, Santana, localizada em Mossoró/RN e para comunidades no município de Bom Jesus/RN.

Os policiais se uniram para amenizar as dificuldades enfrentadas pela população localizada às margens das BRs do RN durante a pandemia. A ação contou com a participação de PRFs que trabalham na atividade operacional bem como dos que trabalham na atividade administrativa.

A distribuição dos alimentos foi realizada no município de Ceará-Mirim pelos próprios policiais, já nos municípios de Bom Jesus e Mossoró a distribuição contou com a participação das ONGs Casa de Maria e O Bem por Alguém, respectivamente.

Mais uma vez, a mobilização solidária e a união dos servidores foram fundamentais para o sucesso dessa campanha.

Compartilhe:
01/05/2021
Por Danilo Evaristo em Notas

Em votação unânime, impeachment de Wilson Witzel é aprovado

Por Cynthia Cruz – Repórter da Rádio Nacional

Em uma votação unânime, o Tribunal Especial Misto aprovou o impeachment do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, que já estava afastado desde agosto do ano passado. Com isso, Cláudio Castro assume definitivamente como governador do Estado.

Além disso, nove dos dez integrantes também decidiram que o agora ex-governador do Rio de Janeiro ficará inelegível por cinco anos.

Wilson Witzel foi denunciado pelo Ministério Público Federal por participação em um esquema de desvios de recursos na área da saúde, que seriam aplicados no combate à pandemia de covid-19.

No processo de impeachment, Witzel foi condenado por crimes de responsabilidade na resposta do governo do estado à pandemia e, especificamente, pela requalificação da organização social Instituto Unir Saúde ao assumir contratos com a administração pública e a contratação da OS Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas) para a construção e gestão de hospitais de campanha no ano passado.

No final da sessão que durou mais de dez horas, o presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Henrique Carlos de Andrade Figueira, disse que o impeachment acaba com um “câncer” e “extirpa um mal”.

A defesa de Witzel negou todas as acusações e pediu a anulação do processo, o que não ocorreu. O agora ex-governador não compareceu à sessão. Ficou de casa publicando críticas pelas redes sociais sobre os votos dos parlamentares e desembargadores e afirmou que não desistirá do cargo. Ele acusou o processo de ter motivação política. Witzel ainda pode recorrer da decisão.

Compartilhe:
30/04/2021
Por Danilo Evaristo em Notas

OMS: mortes e internações por covid-19 estão diminuindo no Brasil

Foto: Reuters/Christopher Black/OMS/Direitos Reservados

Reuters

As internações e mortes por covid-19 começaram a diminuir após quatro semanas de infecções desaceleradas no Brasil, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta sexta-feira (30).

“Os casos agora diminuíram por quatro semanas consecutivas, e as internações e mortes também estão diminuindo. Isso é uma notícia boa e esperamos que essa tendência continue”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em entrevista coletiva.

Mesmo assim, ele descreveu uma situação grave no país, que nesta semana se tornou o segundo a ultrapassar a marca de 400 mil mortes por covid-19, depois dos Estados Unidos.

“Desde o início de novembro, o Brasil vive uma crise aguda, com o aumento dos casos da doença, internações e óbitos, inclusive entre os mais jovens. Durante o mês de abril, as unidades de terapia intensiva estiveram quase em capacidade máxima em todo o país”, afirmou.

Via Agência Brasil

Compartilhe:
30/04/2021
Por Danilo Evaristo em Notas

Auxílio Emergencial 2021 chega a mais 206 mil beneficiados após novo processamento de dados

Após um novo processamento de dados, 206.126 famílias a mais serão contempladas com o Auxílio Emergencial 2021. Esse grupo receberá o benefício seguindo o calendário do próximo pagamento, com início em 16 de maio para os nascidos em janeiro e término em 16 de junho para os aniversariantes de dezembro.

O valor total a ser investido pelo Governo Federal no pagamento de cada parcela para esse novo público é de R$ 40,26 milhões. Desses novos beneficiados, 142.531 têm direito à cota de R$ 150 (pessoas que moram sozinhas), 39.719 cidadãos receberão R$ 250, enquanto 23.876 são mulheres chefes de família que sustentam a casa sozinhas e receberão a cota de R$ 375.

O Congresso Nacional autorizou um investimento de R$ 44 bilhões nesta etapa do programa. O modelo de escalonamento das transferências, adotado no ano passado, segue com o objetivo de evitar filas e aglomerações nas agências da Caixa Econômica Federal e nas lotéricas. A estimativa é de que as quatro parcelas do Auxílio Emergencial 2021 cheguem a cerca de 40 milhões de famílias.

No site www.cidadania.gov.br/auxilio, o trabalhador pode conferir se foi considerado elegível a receber o benefício.

Com informações do Ministério da Cidadania

Compartilhe:
30/04/2021
Por Danilo Evaristo em Notas

Dois reservatórios enchem após as chuvas no interior do RN

A barragem Armando Ribeiro Gonçalves está com 55,34% da sua capacidade | Foto: Ascom/Igarn

As chuvas que ocorreram pelo interior do RN durante esta semana trouxeram aporte hídrico para vários reservatórios estaduais. Entre os 47 reservatórios, com capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos, monitorados pelo Instituto de Gestão das Águas do Estado do Rio Grande do Norte (Igarn), os açudes Passagem, localizado em Rodolfo Fernandes, e Riacho da Cruz II, localizado na cidade de mesmo nome, atingiram 100% da sua capacidade, ambos nesta quinta-feira (29) e continuam “sangrando” nesta sexta-feira (30).

O açude Passagem possui capacidade para 8.273.877 m³. Na última segunda-feira (26) estava com 6.091.316 m³, correspondentes a 73,62% do seu volume total. Já o reservatório Riacho da Cruz II possui capacidade para 9.604.200 m³ e estava com 7.790.232 m³, que correspondiam a 81,11% do seu volume total no início da semana.

Outro reservatório que continua vertendo águas é o açude municipal de Encanto, que possui capacidade para 5.192.538 m³. Ele sangrou pela primeira vez este ano, no dia 30 de março.

A barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório do RN, continua recebendo aporte hídrico e acumula 1.313.212.384 m³, equivalentes a 55,34% da sua capacidade total, que é de 2.373.066.510 m³. Na última segunda-feira, o manancial estava com 1.294.250.907 m³, percentualmente, 54,54% do seu volume total.

A segunda maior barragem do RN, Santa Cruz do Apodi, também recebeu águas e acumula 178.921.150 m³, correspondentes a 29,83% da sua capacidade total, que é de 599.712.000 m³. No início da semana o reservatório estava com 168.662.820 m³, equivalentes a 28,12% do seu volume total.

Pela primeira vez na quadra chuvosa deste ano, a barragem Umari, localizada em Upanema, apresenta melhora de volume, embora ainda pequena, em relação ao relatório anterior divulgado pelo Igarn. Ela acumula 198.840.187 m³, percentualmente, 67,91% da sua capacidade total, que é de 292.813.650 m³. No início da semana o manancial estava com 198.628.627 m³, equivalentes a 67,83% do seu volume total.

O reservatório Rodeador, localizado em Umarizal, acumula 12.855.304 m³, equivalentes a 60,06% da sua capacidade total, que é de 21.403.850 m³. No dia 26 de abril, o manancial estava com 12.215.126 m³, correspondentes a 57,07% do seu volume total.

O açude Santana, também conhecido como Gangorra, localizado em Rafael Fernandes, acumula 5.810.000 m³, percentualmente, 83% da sua capacidade total, que é de 7 milhões de metros cúbicos. Na última segunda-feira estava com 5.623.333 m³, correspondentes a 80,33% do seu volume total.

O açude Morcego, localizado em Campo Grande, acumula 3.511.898 m³, equivalentes a 52,35% da sua capacidade total, que é de 6.708.331 m³. No dia 26 de abril, o manancial estava com 3.416.296 m³, percentualmente, 50,93% do seu volume total.

O açude Pataxó, localizado em Ipanguaçu, acumula 7.131.625 m³, equivalentes a 47,49% da sua capacidade total, que é de 15.017.379 m³. No início da semana, o reservatório estava com 6.949.621 m³, correspondentes a 46,28% do seu volume total.

As reservas hídricas superficiais totais do RN atualmente somam 1.979.033.003 m³, equivalentes a 45,22% da sua capacidade total, que é de 4.376.444.842 m³. Na última segunda-feira o acumulado era de 1.941.755.222 m³, percentualmente, 44,36% do seu volume total.

Os reservatórios monitorados pelo Igarn, que continuam com volumes inferiores a 10% da sua capacidade, são: Zangarelhas, localizado em Jardim do Seridó, que está com 6,44%; Itans, localizado em Caicó, que está com 4,08% e Esguicho, localizado em Ouro Branco, que está com 0,97% da sua capacidade.

Os reservatórios monitorados pelo Instituto de Gestão das Águas do RN, que permanecem secos, são: Inharé, localizado em Santa Cruz, e Trairi, localizado em Tangará.

Situação das Lagoas

A lagoa de Extremoz, que abastece parte da zona norte de Natal, está com 10.983.122 m³, correspondentes a 99,67% da sua capacidade, que é de 11.019.525 m³. Até segunda-feira passada, o manancial estava com 100% do seu volume.

A lagoa do Bonfim, que abastece a adutora Monsenhor Expedito, acumula 42.063.950 m³, equivalentes a 49,92% da sua capacidade total, que é de 84.268.200 m³. No dia 26 de abril, o manancial estava com 41.964.430 m³, percentualmente, 49,80% do seu volume total.

A lagoa do Boqueirão, localizada em Touros, acumula 10.007.070 m³, correspondentes a 90,36% da sua capacidade total, que é de 11.074.800 m³. No início da semana, ela estava com 9.854.618 m³, percentualmente, 88,98% do seu volume total.

Compartilhe:
30/04/2021
Por Danilo Evaristo em Notas

Concurso: São Gonçalo do Amarante/RN remarca provas com 547 vagas

Suspenso devido a pandemia de Covid-19, com mais de 47 mil inscritos, o concurso para provimentos de cargos integrantes no quadro permanente da Prefeitura de São Gonçalo do Amarante/RN e o Sistema Autônomo de Água e Esgoto do município, foi retomado e já tem nova data para a prova objetiva, nos dias 30 de maio e 06 de junho de 2021.

A decisão vem após a flexibilização das medidas de isolamento social e retorno gradual das atividades presenciais. A prova, de acordo com item 3.3 do edital nº 01/2019, será realizada nas cidades de São Gonçalo do Amarante e Natal. São 547 vagas para a prefeitura, e 36 vagas, para o SAAE, nos níveis fundamental, médio e superior.

As informações para realização das provas, distribuição dos cargos em cada dia de realização e as orientações de proteção e prevenção ao coronavírus serão divulgadas através do edital de convocação no site do IBFC – www.ibfc.org.br, na data prevista 14 de maio.

Caso os órgãos de saúde adotem medidas sanitárias mais rígidas de distanciamento social, em virtude de elevada capacidade de propagação do novo coronavírus, o certame poderá ser adiado e remarcado.

A publicação saíra no diário oficial desta sexta-feira (30).

Compartilhe:
30/04/2021
Por Danilo Evaristo em Notas

Ministérios Públicos e Defensoria acionam União, RN e Natal para garantir segunda dose de Coronavac

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), o Ministério Público Federal (MPF/RN), o Ministério Público do Trabalho (MPT-RN) e a Defensoria Pública do Estado (DPE/RN) ajuizaram ação civil pública com pedido de liminar para assegurar a aplicação da segunda dose (D2) de Coronavac nos cidadãos potiguares. Com a escassez da vacina e orientação do Ministério da Saúde para aplicação de novas remessas como D1, mais de 56 mil pessoas estão com a imunização em atraso, superando o intervalo indicado de quatro semanas entre as doses.

A ação pede à Justiça Federal a adoção de medidas urgentes pela União, Governo do RN e Prefeitura do Natal para evitar que a ausência da D2 provoque atraso ainda maior na quebra do esquema vacinal e perda da eficácia da imunização em pessoas dos grupos prioritários. Os procuradores, promotores e defensora enfatizam que a situação tem gerado “um ambiente de insegurança e até de desespero na população que ainda não completou o seu calendário vacinal” e apontam “a possibilidade do surgimento de mutações virais com cepas mais resistentes do novo coronavírus quando não se perfectibiliza o ciclo vacinal”.

Com a aplicação da D2 já interrompida por três vezes em Natal, a ação pede que o município seja obrigado a aplicar exclusivamente a segunda dose até que, no mínimo, 85% das pessoas que receberam a D1 de Coronavac tenham o ciclo completado. Já o Governo do RN deverá monitorar a oferta de vacinas e assessorar os municípios. Quando necessário, a reserva técnica estadual deve ser disponibilizada para evitar novos atrasos.

A ação pede, ainda, que a União adote o incremento ou exclusividade de doses de Coronovac para o RN nas próximas remessas, ou por antecipação, para atendimento à demanda de D2. A União também deve adotar a obrigatoriedade de reserva de segunda dose para todos os já contemplados com a primeira ou, alternativamente, criar um fundo de vacinas para casos como o do RN.

Os Ministérios Públicos e a DPE/RN requerem a aplicação de multa em caráter inibitório para prevenir a reiteração das condutas que levaram à falta de doses. A ação tramita na 4ª Vara da Justiça Federal sob o número 0802923-72.2021.4.05.8400. Acesse aqui a íntegra da inicial.

Pandemia continua

Os órgãos enfatizam que a pandemia do novo coronavírus segue em ritmo preocupante no estado, inclusive devido à identificação de novas cepas mais contagiosas do vírus circulando no país. Nesta quinta-feira (29), segundo a plataforma Regula/RN, a taxa de ocupação dos leitos críticos de covid-19 estava em 88,9% (sendo 86,7% na região metropolitana; 100% na região oeste e 85% na região do Seridó). Além disso, havia 33 pacientes na fila de espera por leitos críticos, 15 pacientes aguardando leitos clínicos e 725 cancelamentos de pedidos de leitos por óbito.

Compartilhe:

Busca no Blog

Facebook


Twitter


Parceiros